Do coração e outros corações

Do coração e outros corações

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Os ceifadores de cabeças discordantes...

 Recebi do colega Jo, da Universidade Estadual de Londrina


Produtivismo acadêmico está acabando com a saúde dos docentes.
 A quarta mesa do Seminário Ciência e Tecnologia no Século XXI, promovido pelo ANDES-SN de 17 a 18 de novembro, em Brasília, debateu o “Trabalho docente na produção do conhecimento”. As análises abrangeram tanto a produção do conhecimento dentro da lógica do capitalismo dependente brasileiro, até o efeito do produtivismo acadêmico na saúde dos docentes.
Participaram dessa mesa, o ex-presidente do ANDES-SN e professor do departamento de educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher; a assistente social e também professora da UFRJ Janete Luzia Leite; e a professora visitante do curso de pós-graduação em serviço social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Maria Ciavatta.
Leher iniciou sua fala lembrando que a universidade brasileira, implantada tardiamente, tem sua gênese na natureza do capitalismo dependente brasileiro. E é essa matriz que vai determinar o conhecimento gerado academicamente. “Também não podemos esquecer que a produção do conhecimento tem sido re-significada. Hoje, não há mais a busca da verdade, mas, sim, a sua utilidade. Sem contar que o conhecimento é uma forma de domínio, como já disseram Kissinger, Fukuyama e Mcnamara”, argumentou.
“Diante disso, está fora de lugar a perspectiva de que a universidade tem um caráter iluminista. Àquela aura do professor universitário intelectual não mais se sustenta”, constatou.
Para Leher, antes havia a valorização da cultura geral, em que era comum encontrar um físico escrevendo sobre arte. Essa ideia, no entanto, não ocorre mais na universidade submetida à lógica utilitarista e pragmática. “É a expropriação do trabalho acadêmico”, criticou.
No Brasil, esse processo foi iniciado com a ditadura militar, que centralizou no Ministério do Planejamento os programas de apoio científico e tecnológico. Como o governo precisava direcionar a inteligência na perspectiva desenvolvimentistas do país, mas queria silenciar a universidade, passou a utilizar-se dos editais para direcionar as pesquisas.

Desde então, mas, principalmente, a partir de 2000, a maioria dos recursos destinados à pesquisa foram se deslocando para o que passou a ser chamado de inovação. A hipótese de Leher é de que como Brasil é dependente e como os doutores formados nas universidades não conseguem empregos na iniciativa privada, a universidade está sendo re-funcionalizada para fazer o serviço que as empresas não querem fazer.“Isso se dá nas ciências duras, mas também nas ciências sociais. É o que explica, por exemplo, o tanto de editais para formar professores à distância, ou para fazer trabalho nas favelas. É a universidade oferecendo serviços”, exemplificou.

“Diante dessa pressão em oferecer serviços, em produzir, o professor que levar dois anos para concluir um livro é expulso da pós-graduação”, denunciou Leher.

A saída para essa situação está na aliança do movimento docente com os movimentos populares. “Ao contrário do que ocorreu em épocas anteriores, em que parcelas da burguesia apoiaram projetos de uma universidade mais comprometida com os povos, hoje eles estão preocupados em inserir cada vez mais a instituição na lógica do mercado”, constatou. “Temos, portanto, de construir um arco de forças políticas no movimento anti-sistêmico, ou seja, com movimentos como a Conae e o MST”, defendeu.

Esse diálogo vai exigir da academia, no entanto, um esforço epistemológico e epistêmico. “Se queremos o MST como aliado, por exemplo, temos de produzir conhecimento que trate, por exemplo, da agricultura familiar”, argumentou.

Qualidade no ensino
A professora Maria Ciavatta também criticou o produtivismo acadêmico ao qual estão submetidos os docentes universitários. “Numa recente publicação do ANDES-SN, li a seguinte frase, que reflete muito bem o atual estado em que nos encontramos: ‘antes, éramos pagos para pensar, agora, somos pagos para produzir’. Achei essa definição ótima”, afirmou.

Ciavatta argumentou que a baixa qualidade do ensino decorre, diretamente, da insuficiência de recursos, responsável pelos baixos salários pagos aos professores. Disse, também, que o Brasil não tem políticas públicas para educação, mas programas de governo.

Ela criticou veementemente o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico) do governo federal. “O discurso é o mesmo dos anos 90, de que precisamos treinar os jovens pobres porque eles precisam de trabalho. Ocorre que esses jovens, por não saberem o básico, também não aprenderão nada nos cursos técnicos”, previu.

“O que temos de defender é a universalização do ensino médio público, gratuito, de qualidade e obrigatório. Temos de responsabilizar o Estado nessa questão”, defendeu.

Ciavatta criticou a banalização do termo pesquisa. “Todos os professores têm de ser pesquisadores, quando, na realidade, a pesquisa científica exige um tempo para pensar”, argumentou. “A pesquisa é encarada como toda E qualquer busca de informação”, constatou.

Após citar os artigos da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) que tratam da pesquisa, ela apontou a baixa qualidade do ensino como um empecilho. “A sofisticada proposta da LDB não se faz com alunos semi-analfabetos. Não basta a alfabetização funcional de muitos e a especialização de poucos. A inovação requer a generalização da cultura científica”, diagnosticou.

Para Ciavatta, a privatização das universidades públicas, com a criação de cursos pagos, se deu a partir do achatamento salarial dos anos 90, o que acarretou maior carga horária dos professores, precarização das relações de trabalho, produtivismo induzido e  individualismo.  “Sou de uma época em que líamos os trabalhos dos colegas. Hoje não temos mais tempo”, lamentou.

A eficiência prescrita e o produtivismo induzido limitaram, segundo ela, a democracia e a autonomia da universidade.

Para a pesquisadora, o viés positivista e mercantilista é que está pautando a produção do conhecimento. “O direito à educação está sendo substituído pelo avanço do mercado sobre a educação, que está sendo vista como um serviço”, afirmou.

Saúde dos docentes
O produtivismo acadêmico está tirando a saúde dos docentes das universidades públicas brasileiras. Essa é a principal constatação feita por estudo da professora do curso de Serviço Social da UFRJ Janete Luzia Leite. “Antes, a docência era vista como uma atividade leve. Agora, está todo mundo comprimido”, afirmou.

A causa dessa angústia está na reforma, feita em 2004, na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “Aliada ao Reuni, as mudanças na Capes foram um verdadeiro ataque à autonomia universitária”, denunciou.

O resultado foi a instituição de dois tipos de professores: o pesquisador, que ensina na pós e recebe recursos das agências de fomento para fazer suas pesquisas e o que recebe a pecha de “desqualificado”, que ficou prioritariamente na docência de graduação e à extensão. Esses, em sua maioria, são recém-contratados e terão suas carreiras truncadas e sem acesso a financiamentos.

Para Janete, os atuais docentes estão formando em seus alunos um novo ethos, em que é valorizado o individualismo, ocultada a dimensão da coletividade e naturalizada a velocidade e a produtividade.

Há, também, um assédio moral subliminar muito forte,
que ocorre, principalmente, quando o docente não consegue publicar um artigo, ou quando seus orientandos atrasam na conclusão do curso. “Com isso, estamos nos aproximando de profissões que trabalham no limite do estresse, como os médicos e motoristas”, afirmou.

O resultado é que os docentes estão consumindo mais álcool, tonificantes e drogas e estão propensos à depressão e ao suicídio. “É um quadro parecido com a Síndrome de Burnout, em que a pessoa se consome pelo trabalho. Ocorre como uma reação a fontes de estresses ocupacionais contínuas, que se acumulam”, explicou Janete Leite.

O problema, segundo ela, é que as pessoas acham que seu problema é individual, quando é coletivo, além de terem vergonha de procurar o serviço médico. “Com isso, elas vão entrando em suas conchas, temendo demonstrar fragilidades”.

Como forma de mensurar o nível de estresse dos docentes, a pesquisadora da UFRJ começou a fazer uma pesquisa nesse campo. Junto com um grupo de aluno, ela entrevista professores dispostos a falar de seus problemas.

“A primeira constatação que fiz é que as pessoas estão ansiosas para falar sobre seus problemas. Nossas entrevistas não duram menos do que uma hora e meia”, contou.

Já foi possível concluir que a atual realidade tem provocado sintomas psicopatológicos, como depressão e irritabilidade; psicosomáticos, como hipertensão arterial, ataques de asma, úlceras estomacais, enxaquecas e perda de equilíbrio; e sintomas comportamentais, como reações agressivas, transtornos alimentares, aumento de consumo de álcool e tabaco, disfunção sexual e isolamento.

Tudo isso, para Janete Leite, decorre da pressão atualmente feita sobre o docente. “O nosso final de semana desapareceu, pois temos de dar conta do que não conseguimos na semana, como responder e-mails de orientandos, ou escrever artigos”, afirmou.

Para ela, é preciso que haja uma reação dos docentes a esse processo. “Caso contrário, seremos uma geração que já está com a obsolescência programada”, previu.
********************************************************************
Comentário:

Quando falamos em Capes, é bom lembrar que são as COMISSÕES DA CAPES.  São os próprios colegas que agem como mercadores. Quando fui inquirida, em 2010, por uma comissão da CAPES que veio à Universidade Estadual de Maringá, percebi o que é assédio moral. Um dos professores, Matteddi, achou estranho eu dizer que fazia avaliação com meus alunos. Logo quis me ensinar que em pós não se dá provas aos alunos. Eu respondi que meus alunos faziam avaliação. No relatório da referida comissão, há um erro enorme: afirmam que a Professora Eliana Sebeika Rapchan não tinha currículo Lattes. MENTIRA. A referida professora sempre teve currículo. Por que mentiram? Não sei.
Está público o currículo da Professora Eliana. É doutora desde 2000. Vejam o currículo: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do Está devidamente preenchido desde 2000. Por que em 2010 a Comissão da Capes que aqui esteve não procurou o currículo no Lattes? Por que desabonaram a professora e eu, que era a coordenadora do pós à época?
Eliane Sebeika Rapchan
ELIANE SEBEIKA RAPCHAN CONCLUIU O DOUTORADO EM CIENCIAS SOCIAIS PELA UNICAMP (2000) E O POS-DOUTORADO NO IP-USP (2005) CONSOLIDANDO SUA CARREIRA NA DEDICAÇÃO À PESQUISA EM TEORIA ANTROPOLÓGICA COM ÊNFASE NA ABORDAGEM DAS RELAÇÕES NATUREZA/CULTURA E NAS RELAÇÕES (TEÓRICAS, HISTÓRICAS, EPISTEMOLÓGICAS, IDENTITÁRIAS E OUTRAS) ENTRE A ANTROPOLOGIA SOCIOCULTURAL E AS BIOCIÊNCIAS, EM ESPECIAL A PRIMATOLOGIA, A ANTROPOLOGIA BIOLÓGICA E A ETOLOGIA, À LUZ DA ANTROPOLOGIA DA CIÊNCIA, DAS IDÉIAS E DO CONHECIMENTO, DESDE 2001. PARA TAL FIM, RECEBEU RECURSOS DO CNPQ (MODALIDADE APQ) ENTRE 2002-3. NA MESMA DIREÇÃO, HÁ TRABALHOS EM DESENVOLVIMENTO COM O INTUITO DE ANALISAR AS RELAÇÕES ENTRE HUMANOS E ANIMAIS A PARTIR DE REGISTROS ETNOGRÁFICOS, OBSERVANDO HÁBITOS, CRENÇAS E PRÁTICAS CULTURAIS. PARA A MESMA DIREÇÃO CONVERGE A MAIORIA DOS ARTIGOS PRODUZIDOS (3 CITAÇÕES NO SCIELO, 1 NO LILACS) E A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS DIRIGIDOS A DISCUSSÕES COM ÊNFASE NA POSSIBILIDADE DE EXISTẼNCIA DE CULTURAS DE CHIMPANZÉS E NA VALIDADE DO USO DESSA EXPRESSÃO A PARTIR DAS PERSPECTIVAS DA ANTROPOLOGIA SOCIOCULTURAL, NA REFLEXÃO SOBRE AS VÁRIAS DIMENSÕES POSSÍVEIS DAS RELAÇÕES ENTRE HUMANOS E ANIMAIS NÃO-HUMANOS, NAS RELAÇÕES TEÓRICAS, METODOLÓGICAS, EPISTEMOLÓGICAS E IDEOLÓGICAS ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOCIÊNCIAS E NAS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO DARWINIANO SOBRE AS CIÊNCIAS SOCIAIS. DEVIDO A IMPORTÂNCIA E ACESSIBILIDADE, DESTACA-SE DENTRE ELES O CICLO: PENSAMENTO DARWINIANO E AS CIÊNCIAS SOCIAIS REALIZADO NO IEA-USP EM 2007 E QUE PODE SER VISTO NA ÍNTEGRA NO ENDEREÇO: www.iea.usp.br/iea/online/midiateca/filosofiadaciencia/v070524_700/web/Script/index_NN.htm. DENTRE AS 23 ORIENTAÇÕES E CO-ORIENTAÇÕES CONCLUÍDAS (INICIAÇÃO CIENTÍFICA, GRADUAÇÃO E MESTRADO) TAIS ÊNFASES DE PESQUISA TEM CONTRIBUÍDO OU PARTICIPADO, MESMO QUANDO DE FORMA INDIRETA. A PESQUISADORA É MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA (ABA) E PARTICIPA DE UM GRUPO DE PESQUISA DO CNPQ: O LABORATÓRIO DE PESQUISA EM ANTROPOLOGIA (LAPA). É TAMBÉM PESQUISADORA ASSOCIADA DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EVOLUTIVOS HUMANOS (LEEH) DO IB-USP.
Certificado pelo autor em 09/11/11

Um comentário:

  1. Jozimar Paes de Almeida30 de novembro de 2011 20:13

    O apoio para a pesquisa é realizado com verbas públicas e o resultado sob forma de publicação é entregue gratuitamente a uma revista que cobra para que os leitores tenham acesso - isto se chama apropriação privada dos cofres públicos!

    ResponderExcluir